domingo, 15 de março de 2009

O bicho mau...


Hoje tive uma experiência que me deixou...assim, sem saber como descrever o que sinto!
Comecei no início do ano lectivo a dar catequese em resposta a um pedido de uma amiga muito querida. Daquelas que nos acompanham nos bons e maus momentos. Uma pessoa muito querida e de quem eu gosto muito, ela sabe...
Tenho um grupo de 10 garotos de 1º ano que faz as minhas delícias, não fosse aquele pirralho que me dá cabo dos nervos em plena missa: "-Pára com os pés! -São meus! - Pára com o casaco! - É meu!"...pois, sem comentários...
Desde o início achei aquela mãe um pouco estranha, mas como hoje em dia há coisas que para nós são estranhas e que para outros são normalíssimas…
Mas hoje...hoje, aquela peruca longa sobre a cabeça despertou-me a atenção...
No final da missa, uma senhora já de idade avançada viu-me a falar com ela. Dirigiu-se a mim e disse:"Tenho tanta pena daquela moça!"
Aquelas palavras bateram-me bem fundo. Fui perguntar à minha amiga o que se passava com a mãe do garoto, ao que ela respondeu:"Não sabes? Tem um cancro! Já fez vários tratamentos, mas..."
No momento fiquei tão...sei lá, nem sei como descrever, acho que foi daquelas bombas que atingem o alvo mas que só rebentam algum tempo depois, têm feito retardado.
Quando cheguei a casa deitei-me na cama, as palavras faziam eco na minha cabeça vezes e vezes sem fim. Pensei naquela mãe, na forma maravilhosa como tem educado os seus filhos. Ele é talvez a criança mais bem-educada que já conheci, e olhem que já me passaram dezenas pelas mãos, de norte a sul do país. Pensei se tudo aquilo que tenho tentado transmitir terá algum sentido.
Se quando digo àquela criança que pode confiar, que tudo vai correr pelo melhor, se ela acredita realmente nas minhas palavras. Se um dia se o pior acontecer, ele me virá cobrar o peso de cada uma delas.
Senti vontade de chorar até não ter mais lágrimas.
Ao invés disso, achei que a melhor forma seria fazer alguma coisa, perdoar quem me magoou, dar mais valor às pessoas de quem gosto, se é que isso é possível, ver o Sol em todo o seu esplendor e agradecer a Deus por cada dia que vivo e tenho a oportunidade de ver e apreciar tudo á minha volta.
Agradecer por tudo de bom que tenho na minha vida, esquecer tudo de mau e acarinhar as minhas crianças da forma mais dedicada que consiga. E, se um dia o pior tiver mesmo que acontecer, estar preparada para dar um forte abraço àquele menino e dizer-lhe: "Estou aqui, podes contar comigo!"
Por isso, nunca se esqueçam de ser felizes, por favor, a vida é demasiado curta para viver de tristezas e rancores. Carpe diem!

28 comentários:

Ovinho Estrela(do) disse...

Minha querida colega... Escrevo-te com os olhos rasos de lágrimas...

Não te escreverei tudo o que gostaria de escrever. Já sabes que por aqui nunca o faço... Mas deixo-te sempre um pouco daquilo que, em público, gosto de partilhar e de te escrever blogosfericamente falando...

Querida, essa criança jamais TE vai cobrar alguma coisa... Vai ter-te sempre como guia, bem como aos adultos que a rodeiam... Se o desfecho da Mãe for a tragédia que as reticências da tua amiga obrigaram a usares no teu discurso... Essa criança (assim como os adultos a quem essas tragédias sucedem - e não só vítimas de cancro. Há os acidentes. Há as outras doenças. Até uma mera apendicite...) há-de questionar tudo... Mas jamais porá em causa tudo o que lhe dão e dizem agora. Acredita, que eu sei. Normalmente, a revolta vai sempre para os céus... O ser humano tende a revoltar-se contra quem, de repente, parece que tudo lhe tira e nada lhe diz... Percebes-me?

Ando muito frágil a esta questão... A minha grande amiga de infância, Sandra Maria, que comentava no meu blog... Uma menina de quase um ano... Grávida de 3 meses... Descobre que tem um cancro. Galopante. Tudo a correr para Londres. Isto já vai há uns meses. Outubro-Novembro. Perdeu o bebé... Tem agora a menina dela (minha afilhada) com um ano feito em Fevereiro. Daqui a duas semanas regressará. Para nos deixar. Se cá chegar a tempo de a podermos beijar. Tem 32 anos. Uma vida pela frente.

Tal como tu, olho à minha volta e vejo gente que perde tanto tempo com coisas que, até têm importância, mas que deviam estar sossegadas. Vejo gente sem ponta de bom-senso. E gente que precisa tanto de todo o tempo do mundo.
Até eu e tu precisamos. Vivamos a vida. Vivamos.

E sabes quem questiono? Quem a Mãe dela questiona? Quem o marido dela questiona? Quem aquela menina linda de olhos verdes, a minha Marta, há-de questionar? Tu sabes... Bem sei, querida colega, que Deus tudo faz com um sentido... Mas esse é o pensamento que se tem quando não nos toca a nós... Ou passado MUITO tempo de nos ter tocado...

Mas mesmo questionando Deus, por vezes, é sempre para ele que deitamos as nossas lágrimas de pedido de auxílio.

Lembro-me quando soube que, decididamente, a minha comadre não tinha hipóteses, de ter gritado e chorado muito dentro do meu carro. E foi a gritar que perguntei a Deus porquê... E no segundo seguinte foi a Ele que pedi ajuda para me acalmar, para me ajudar a perceber tudo. Na hora seguinte, estava de mal com Ele novamente... Zangamo-nos com Ele, mas não o abandonamos. Percebes?

Se um dia acontecer (remetendo-me para a parte final do teu post) tu vais ter toda a força do mundo para proteger esse teu menino e para lhe continuares a dizer que vai ficar tudo bem... Mesmo que ele não acredite, tem-te.

Deixo-te um abraço, querida colega...

(Calculo que vais andar em fase de canseira escolar com o final do período. Desejo que trabalhes bem e que a azáfama não te vença, que este final de período escolar é sempre tão duro...)

Beijo, Zabour... Beijo...



*

Zabour disse...

Ovinho:
Nem tenho palavras para descrever o que sinto neste momento. Há fases na vida que realmente pensamos que fomos abandonadas por Deus, que não é justo o que estamos a passar e que Ele consegue ser muito cruel na Sua imensidão. Olhamos para as crianças em África a morrer de fome, para as doenças que levam injustamente aqueles que nos rodeiam e a quem queremos tanto.Ainda na semana passada Ele levou para junto de si uma mãe com a doença mais estúpida que possas imaginar...uma mãe de 2 filhos, que apesar de já adultos choram como crianças a morte da sua mãe. Eu não me consigo imaginar sem a minha mãe. No dia que ela partir vou ficar muito zangada com Deus, apesar de saber que ninguém vive para sempre. Mas a minha mãe é o meu refugio, o meu bem mais precioso...e eu já sou adulta. Por isso nem consigo imaginar aquelas duas crianças privadas do amor, do carinho, da companhia da sua mãe. Deve ser uma dor imensa. Lamento pela tua dor.Lamento pela dor de todos os que sofrem e que perdem um pouco de si todos os dias. Lamento mais ainda por todos aqueles que como tu dizes, andam demasiado ocupados com futilidades e não vêm o que realmante interesssa.
Vou ser forte e tu também! Vais dar à tua Marta toda a força do mundo, tal como eu vou dar ao meu Diogo o conforto, o carinho e a ajuda que ele precisar.

Beijo grande

Lita disse...

Obrigada por este texto, que tem este dom de perspectivar as coisas, para nos fazer valorizar o que de facto vale a pena.
Beijos grandes.

Ovinho Estrela(do) disse...

Querida colega, revoltamo-nos com Ele... Mas em simultâneo, nessa revolta, é a Ele que pedimos forças...

Naquela dia, no carro - como te contei - perguntei-Lhe porquê... Danada, sofrida. A seguir pedia-Lhe força...

Mesmo sendo católica, zango-me com Ele se for preciso... não sou daquelas beatas que vive imunda da citação que defende que os desígnios de Deus são inquestionáveis. Zango-me, acho injusto, desfaleço. Mas é na verdade a Ele que peço força no segundo seguinte...


Eu sei que tenho tudo para a Marta. Mas tenho como madrinha, amiga, amiga da Mãe, amiga dos Avós, amiga do Pai, amiga dos amigos.
Não a deitarei todas as noites com aquele beijo majestoso e maternal. Jamais as histórias que lhe venha a ler terão a sonoridade das da Mãe. Jamais NADA.

A minha amiga de há 20 anos vai embora. Que saudades já lhe tenho.

Sabes, quando recebi o derradeiro telefonema ( o que decretou que ela estava de regresso, que só falta tratar dos protocolos com os cuidados paliativos da clínica onde ela está e com os do IPO de cá), minutos antes de te vir ler, fiquei sem pinta de sangue... Sentei-me, depois, no computador para rever as nossas fotografias.

E lembrei-me que actualmente tinhas esta música no teu blog. Que tanto gosto. E vim ouvi-la como som de fundo, enquanto olhava para o slideshow que tenho. E eis que entro e qual sintonia. Blogavas sobre o tema.

Como noutras noites já aconteceu, como sabes, estarei aqui metida no teu blog, com ele minimizado, para me deliciar e aconchegar com esta música linda, enquanto faço as minhas planificações.
Sim, porque a vida para mim continua...




Uma coisa fora de contexto: como estás com esse coração? De amores, portanto... Essa saudade e nostalgia... Como vão?

Abraço forte.

Ovinho Estrela(do) disse...

Zabour, eu não disse que se perdia tempo com coisas sem importância. todas as coisas têm importância. não partilho dessa ideia senso-comum de que há coisa sem importância às quais damos valor. Caramba, se nos incomodam, porque não dar-lhes a importância que entendemos dar?
Eu digo é que há pessoas que perdem tempo com coisas que exigem silêncio, recato E atribuem o tempo a umas coisas em vez de o atribuirem a outra. E normalmente, estas pessoas são aquelas que precisam mais do tempo do que eu. do que tu.

Era o que eu queria dizer.

Beijo imenso.

Anjo De Cor disse...

Sem palavras... ;)
Bj

Rafeiro Perfumado disse...

Infelizmente às vezes necessitamos desses choques para nos fazer perceber o que é realmente importante. Infelizmente a voltagem dura pouco...

Beijoca!

Fernanda! disse...

Oi amada...Obrigada pelas palavras carinhosas.

Bjos de luz!

Linda disse...

Zabour,

Agora emocionei-me... este assunto ainda é muito penoso para mim, lembra-me alguém muito chegado que partiu.

Tenta ser forte para quando o dia em que o menino te cobrar, tu com a tua sabedoria o ajudares...

Beijinhos
Linda

NIH SILVA disse...

ahnnn
no words o describe

o.O

Rei da Lã disse...

Bem...
É demasiado sério para que comente!

Parisiense disse...

Vivo com isso em casa, pois o meu marido tem também um cancro.....mas graças Deus e ao n/amor temos conseguido superar todas as batalhas até agora.....as dos tratamentos, noites sem dormir a pensar, a conversar a viver simplesmente cada momento.....

È revoltante e tudo é posto em questão .....mas temos que fazer tudo o que está ao n/alcance para podermos ajudar quem de nós precisa.

Como o mundo se desmorona aos nossos pés em 2 segundos.....

Eu sei e senti na pele isso mesmo...entrei numas urgências com ele com uma simples dor de cabeça e saimos de lá com um cancro nas mãos, milhentas perguntas na cabeça, um medo inexplicável e uma vontade de tudo partir, de fujir, sei lá tudo te passa pela cabeça nesse momento......

Mas estamos a conseguir superar e por isso é que eu digo "sejam fortes e vão á luta, porque tudo pode acontecer".....nada de baixar os braços e quando já nada se puder fazer sejam amigos, amantes e deem tudo o que estiver ao alcance do v/coração.....vivam com o coração.....

Beijokitas

Zabour disse...

Lita:
Tens toda a razão, é pena k só nos momentos em k somos encostados à parede essa capacidade de análise venha à superfície. K a dor de uns sirva para a refleção e mudança de atitudes de outros, não é? Ao menos isso.

Beijinho amiga!

Zabour disse...

Ovinho:
Tenho pensado muito em tudo o que se passou desde ontem até este momento. Tenho gravado na memória aquele instante k me deixou sem ar.Eu não consigo imaginar a dor de se perder assim alguém de quem se gosta tanto. Peço a Deus que não o faça, apesar de saber k tal há-de acontecer mais cedo ou mais tarde.
Mas vou-me agarrar às tuas palavras e à força de cada uma delas e pensar que elas irão ajudar-me e rezarei por ti e pela tua amiga. Não sou daqueles católicos ferrenhos, apesar de ser catequista, há coisas que coloco em dúvida e outras msm k me recuso o ter como mote, mas para mim o mais importante é ter algo em que acreditar, pk no dia em k deixar de acreditar em Deus, Alá, jeóva, não interessa... será o dia de deixei de ter esperança num mundo melhor para todos nós.

O coração está mais conformado, se é k a suadade se pode conformar..."Quem inventou a distância não conhecia a saudade!" e há dias em que o coraçãozinho apreta tanto que acordo em lágrimas. É muito dificil olhar para o lad e ver k estou sozinha na cama, que qd chego a casa não tenho aquele abraço forte e confortável à minha espera, mas com o tempo a saudade vai ficando mais doce, menos dolorida.

Obrigada amiga, pelo carinho, por tudo.

Vou voltar a colocar aquela música só para ti.

Beijo enorme.

Zabour disse...

Ovinho:
eu sei linda, eu percebi. Eu é k me expliquei mal.

Concordo plenamente contigo.

Bj grande

Zabour disse...

Anjo:
O silêncio diz mais que mil palavras.

Bjo grande

Zabour disse...

Rauf:
Tens toda a razão, mas garanto-te que aqui o choque vai permanecer para sempre, nem que seja só o formigueiro que ele provoca.

beijinhos

Zabour disse...

Fernanda:
Tenho um amigo que spr me diz k o k é dado de coraçõa não precisa de agradecimentos.

Beijo enorme minha querida

Zabour disse...

Linda:
É um assunto que infelizmente de uma forma ou de outra spr nos diz alguma coisa. Esta besta deste bicho mau que nos confronta numa luta tão desleal...
Obrigada pelo voto de confiança, vou-me esforçar por honrá-lo

Beijo grande

Zabour disse...

Rei:
Ok...

Beijo grande

Zabour disse...

Nih:
Desculpa, saltei o teu coment~.
Sim, realmente não há palavras k descrevam comexactidão o k se sente com td isto...

Beijo grande

Zabour disse...

Parisiense:
Agora deixaste-me sem palavras...
Obrigada pelo teu testemunho...obrigada pela tua força...obrigada por seres assim...
Sabes o k penso? K se algum dia tiver a oportunidade de conhecer as pessoas com quem me dou aqui na blogosfera, tu serás aquela a quem eu assim que olhar vou logo reconhecer de certeza, não por já ter visto o rosto de menina traquina :O) mas pela tua aura, a aura de um anjo...

Beijo enorme

Ovinho Estrela(do) disse...

Vim deixar um beijo e saber do teu coração. Imaginei que ainda andasse essa saudade. Daquela mesmo que se chama saudade.
(...)

Haverá saudade doce?



Quanto ao resto... Fechei-me em copas, como sempre faço, se bem que involuntariamente, quando algo me aperta a alma.

"Está tudo bem", digo eu a mim mesma. E vivo. sempre fui assim.

Zabour...

Beijo grande...

Zabour disse...

Ovinho:
Se calhar doce não há, mas pelo menos não me pesa tanto no coração e já passo um ou dois dias sem chorar...isso já é bom, nãp achas?

Beijo grande

E sim, vai ficar tudo bem, porque depois da tempestade passar vem sempre um sol radioso para nos aquecer o rosto.

Parisiense disse...

Anjo, eu??????
Não, nem de longe nem de perto, apenas tenho sede de viver como dizia a m/mãe, e acho que a vida só faz sentido quando vivida em amor e paz......tudo o resto é superfulo.
Mas isto aprendi com os meus pais, que eram o exemplo disso mesmo.
Eu nasci e cresci num lar cheio de amor, amizade, sinceridade e cumplicidade e por isso passo esses mesmos valores.

Acima de tudo ama-te a ti mesma e conseguirás amar os outros e se fores feliz conseguirás espalhar essa tua felicidade, nem que seja só por uns momentos.

A vida é uma passagem e temos o dever de tudo fazer para que ela seja vivida com muita felicidade e muito amor.

Será um prazer conhecer-te um dia, quem sabe....
Beijokitas

Zabour disse...

Parisiense:
Para mim todas as pessoas que abrem o seu coração sem rancor, sem reservas, sem medo de mostrar o k são, são verdaeiros anjos. Anjos não são aqueles meninos, sem sexo ;O) que vemos na televisão ou nas igrejas, anjos são aqueles que sem saberem consegue fazer dos nossos dias um dia mais leve e brilhante

Beijinhos

Ovinho Estrela(do) disse...

Não sei, querida... Não sei, francamente, se passar dois dias seguidos sem chorar é sinal de que a saudade da boa começa a surgir...

Domino imensos assuntos, como sabes, mas este... O da saudade... Nem por isso...

Chego mesmo a questionar-me sobre o que será saudade doce... Saudade da boa...
Saudade é saudade, caramba. E saudade é porque desejamos aqui alguém que não está, que esteve, que não estará mais. Ou nem que venha no dia seguinte.

E tudo o que, para mim, seja aperto de alma e coração... Não, obrigada.

A vida, Zabour... A vida...

Fica bem, querida colega.

Deixa-te absorver pelo excesso de trabalho que nos caracteriza nesta época.

Beijo tão grande te deixo.

*

pieces of me (Luna) disse...

miminho para ti no meu blog

beijinhoo