segunda-feira, 22 de setembro de 2008

A tradição já não é o que era...ainda bem!!!


Por causa dos acontecimentos do último fim-de-semana vieram-me à cabeça certas coisas a que a tradição obriga e com as quais, felizmente, já não temos que lidar…

Detesto ir a funerais...Quando era pequena, no Alentejo, na linda vila de Pias onde vivia na altura, era tradição que os filhos e os netos beijassem os mortos antes de fecharem o caixão. Quando tinha cinco anos, o meu avô paterno morreu e obrigaram-me a beijá-lo. Durante semanas acordava de noite aos gritos com pesadelos horríveis. Contam-se pelos dedos de uma mão, e sobram, o número de funerais a que assisti em toda a minha vida...

Outra tradição que nunca entendi é a dos touros de morte. Durante muitos anos vivi em Moura, uma linda cidade no Alentejo, de estilo árabe, se calhar daí a minha paixão pela Tunísia, bem perto da fronteira com a Espanha. A poucos quilómetros dali, numa não menos bonita vila, Barrancos, onde se fala barranquenho, uma mistura de português com espanhol, que é já considerado um dialecto: "Barranco à aumentau, tiene una estrada de ierro e una ponte de pau", era costume nas festas anuais haver os ditos touros de morte.

Nesta pacata vila, têm o hábito de convidar toureiros espanhóis para preconizar as touradas  onde o touro é morto a sangue frio e vendido à população que delira com as sandes de carne assada de boi...

Tradições à parte, mas para mim, defensora exímia dos direitos dos animais, isto é nada mais que um delírio colectivo sobre uma carnificina. Haja pudor e respeito pela vida…

Aqui há uns anos, assisti na televisão a uma reportagem em que numa determinada aldeia ou vila, lá para o norte, havia um dia no ano, em que era tradição todos fumarem um cigarrito. Atenção, porque quando digo todos, são mesmo todos, crianças inclusive...

Sem comentários...

 Isto quer dizer o quê?

Que em nome da tradição se podem fazer as maiores aberrações sem que ninguém aponte o dedo?

E se um dia passar a ser tradição circuncidar as mulheres como se faz, ainda, em certas tribos de África? Ou se as mulheres que não casarem virgens voltarem a ser apedrejadas em praça pública, como em certos países? Não há problema?

Qual o verdadeiro valor da tradição?

A tradição quase me atirou para uma cadeira de psiquiatria...era bonito ver cumprir a tradição da neta pequenina, coitadinha, dar o beijo de despedida ao seu avô, já cadáver...

 Meu Deus, tradição? Eu diria aberração!

22 comentários:

GANDALF disse...

Completamente de acordo minha querida,pouca coisa me faz confusão,mas beijar os mortos esta fora de questão,ja até olhar para eles,só mesmo por um infeliz acaso,tenho uma maxima que sempre utilizei e que levo muito a "letra,"as pessoas tem que ser bem tratadas e estimadas enquanto são vivas",depois de morrerem acho uma parvoice qualquer tipo de manifestação e muito menos se esta ligada a uma(MÁ)tradição.
Tal como a tradição de todos fumarem um dia por ano nessa aldeia do Norte,não se pode nem deve esconder a ignorância e a falta de bom senso atras de uma palavra,"TRADIÇÃO".

beijokinhas doces

Ovinho Estrelado disse...

Quem fala assim não é gago! Gaga, quero dizer.

Falando de touradas... Só alinho nas pegas. e porque me farto de rir dos cagunfos dos pobres forcados! ahahahaha
Mas de pegas gosto! :)

andas bem, minha colaga blogosférica? Esse início de ano lectivo?

Beijo imenso!

Claudia disse...

Eh....hoje vc tocou em um assunto meio delicado ao meu ver,como religiao,politica,futebol....

Tradiçao..

eu venho de familia de imigrantes...Imigrantes orientais aos quais muita atitude provinda da cultura e de tradicoes,diferencia muito dos ocidentais,se podemos dizer assim ou classificar dessa maneira.

Eu me coloco em uma posicao complicada pq nao me considero imigrante apesar de ter olhos puxadinhos e de ter nascido em SP,Brasil....Mas a muito pouco tempo,era OBRIGADA a ter certas atitudes ou costumes,devido a TRADICAO... Ahhhh perae ne....Claro que os meus exemplos nao se comparam as aberracoes aos quais vc mencionou,mas tb nao deixa de ser costumes impostos pela cultura....Pelas raizes...

Gracas a Deus,minha familia estah mais ocidentalizada....E nao sou mais obrigada a ter certos atos que nao julgo mais importantes hoje em dia,como por ex.....HmmmmMMmmmm (pensando...)
O mais velho seeeeeeeeempre tem razao de tudo,e por mais errado que ele esteja,vc sendo mais novo,abaixe a cabeça,cale a boca e obedeça.Affff
Estamos em uma democracia,e se eu tenho algum argumento,desde que de maneira educada,acredito que eu possa ter uma conversa civilizada,ne??

bjinhos

amei seu post

Ka disse...

Creeedo! De facto não se faz... Eu tive a sorte de nunca me obrigarem a fazer isso e digo-te que no meu caso faço questão qe não o façam mesmo para que fiquem com uma ideia de mim bem viva!!

Quanto ás outras tradições que aqui referes estou completamente de acordo, não consigo ver o que de bonito pode ter ver um animal a sofrer...
E a tradição dos cigarros ainda há bem pouco tempo foi notícia num telejornal...e toda a gente muito feliz...efim, que dizer de tamanho disparate???

beijinhos e um excelnete dia!

Nina disse...

As tradições so existem por dois motivos, para manter as pessoas unidas e para evitar que elas tomem as suas proprias decisões. O medo ainda é a melhor e maior arma.

Parisiense disse...

Concordo contigo.......em nome das tradições faz-se muitas aberrações.

Mas já agora em nome da tradição que tal voltar a Pena de Morte para acalmar a população e sobretudo os jornalistas com faltas de noticias????????

È isso mesmo já estou boazinha do meu braço.....até já ando por aqui depois de uma paragem de 2 semanitas.......ahahahahhah
Beijokitas

Zabour disse...

Gandalf:
Pois é concordo contigo, mas às vezes apesar de discordarmos de certas tradições até achamos piada e deixamos a coisa correr e é desta forma que as (más) tradições continuam a existir.

Beijinhos, ó grande mágico!

Zabour disse...

Ovinho:
Não, nem por isso. Acreditas que ainda não me disseram que escolas vou apoiar nem que meninos? Tudo por causa da transição para o 3/2008. Quando os meninos estavam ao abrigo do 319º eu podia apoiá-los, agora já não. De forma que não sabem muito bem o que fazer a mim e mais 5 que estamos nessa situação. Eu já disse para me darem turma, mas acho k eles preferem ter as velhas caducas a ensinar os meninos em vez da malta mais nova. Devem ter medo da inovação, só pode.

Beijinho no pé. ;)

Zabour disse...

Cláudia:
Como eu te entendo...
Infelizmente, também fui muitas vezes apontada pelos mais velhos por não cultivar certas tradições do meu país natal, Angola.
É difícil para certas pessoas perceberem que o facto de não se ter vivido num determinado local é motivo mais que suficiente para não nos sentirmos "intrusados" com certas tradições.

Beijinho grande

Zabour disse...

Ka:
Pois, o pior é o facto das pessoas acharem imensa piada com esses tristes hábitos. É aí que se vê a ignorância de certos actos e de certas pessoas.

Bjokas

D.Antónia Ferreirinha disse...

Felizmente, em alguns casos , a tradição já não é o que era.
Sou avessa ás tradições que apontas.
Uma criança de 5 anos? Isso é horrível. Deveria ter sido poupada.
Já eu , bem adulta , despedi-me porque quis e não me arrependo, nem sequer me impressionou, do meu querido pai e dois anos depois do meu tio, irmão do meu pai.
Beijinhos.

Zabour disse...

Nina:
Só é pena que o motivo que as mantém unidas nem sempre seja o melhor.

Beijinhos

Zabour disse...

Parisiense:
Eu até acho que tinha uns nomes para o corredor da morte. ;)
Ainda bem que já estás melhor!

Bjito

Zabour disse...

D.Antónia:
Sim de forma voluntária e já em adulto tudo bem. Mas é como tu dizes, numa criança de 5 anos...

Eu cá de tradições só gosto daquelas que metem doces e salgados ;p

Beijinho grande

Sorrisos em Alta disse...

Realmente, há com cada uma...

A mim também me devem ter feito algumas em criança, para eu ter ficado com esta mente perturbada!!!
;o)

Um sorriso de apoio

Anjo De Cor disse...

É verdade amiga a tradição já não é o que era ... acho que esta tudo em mudança e pouca gente dá valor a tradição ...
Entendo e concordo ctg quando o meu avó morreu eu tinha uns 14 anos tb queriam que desse um vejo ao morto e desatei a fugir, fez-me uma certa confusão... e fiquei a pensar nisso imenso tempo, se calhar até anos ... e desde ai esta história dos funerárias nunca mais muito bem encarada ...
Quanto as touradas ... idem...
Acho que felizmente a tradição já não é o que era, nestes temas e em muitos mais, casamentos, religioes e muito mais...
Um grande Beijinho ;)
Sónia

Claudia disse...

Voce nasceu na Mongolia ou eh descendente?

Zabour disse...

Sorrisos:
Olha, nunca tinha visto as coisas nessa perspectiva...hum...pronto, já percebo pk sou meio ....;)

Beijokas sorridentes

Zabour disse...

Anjo:
Então perecbes o k sinto...

Bjs

Zabour disse...

Cláudia:
Nemuma coisa nem outra...Nasci em Angola,África...

Bjs

Van disse...

Concordo, nunca fui muito defensora de tradições no geral, tirando algumas (por ex,na minha famelga há a tradição de passar uma pulseira de ouro à filha mais velha no dia dos seus 24 anos...neste momento está comigo ;-) ). Especialmente das tradições académicas....:-p

Zabour disse...

Van:
Epá, eu também quero uma tradição dessas. ;)

Bjokas