sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Amor irracional...


Hoje, numa das turmas onde dou apoio educativo, o texto que trabalhamos falava no trágico romance de D. Inês de Castro “(…) aquela que depois de morta foi rainha(…)”
Era um texto muito bonito…simples, inocente e puro, para que as crianças o pudessem compreender.
História de Portugal nunca foi um conteúdo fácil e por mais interessante que possa ser é sempre difícil para os garotos conseguirem absorver tantos factos, datas…acho que às vezes até para os professores é complicado conseguir transmitir tudo de forma a que eles percebam tudo…Ainda lhes falta maturidades nestas idades para perceberem certas coisas.
Ainda por cima algumas das crianças apesar de terem uma leitura fluente, não sabem interpretar o que torna a tarefa ainda mais árdua.
Os garotos tiveram muita dificuldade em perceber como é que alguém depois de morto pode ser venerado e coroado, pareceu-lhes uma ideia macabra. Não têm noção do que a loucura causada pela perda de alguém que se ama pode originar na cabeça do ser humano…de como em questão de segundos se passa do ser racional ao irracional.
De manhã, no caminho para a escola, ouvi na rádio que começou hoje em Coimbra o julgamento de um estudante que decapitou a namorada depois de esta ter terminado a relação. Ainda me lembro do dia em que isso aconteceu. A filha de uma colega da escola pertencia à turma dela. Os colegas ficaram em estado de choque…
Nem de propósito…hoje parece ser o dia de relembrar tragédias amorosas…
Acho melhor trancar-me em casa…não vá o Diabo tecê-las e aparecer por aí algum ex à procura de explicações :O(


P.S. Já agora o que acham da minha Inês de Castro, a sobrinha diz que nota algum desânimo no seu rosto…se calhar estava a ter um pressentimento…Beijocas e bom fim-de-semana.

14 comentários:

Van disse...

É bem verdade, o amor é irracional muitas das vezes. Um dos sentimentos que eu, por exemplo, abomino, é o despeito. Até mais do que a rejeição. Não suporto. O despeito, condescendencia, paternalismo, rejeição, da pessoa amada são coisas que não suporto. Enlouqueço, e quase completamente (ao ponto de ir contra um rail :p :D), passo-me. Mas, bolas, decapitar???? arrrrrrrghttttt!!!

Ainda me lembro de quando li pela primeira vez a historia de amor de ines de castro e de dom pedro. Primeiro, fiquei indignada: atão essa serigaita tava-se a fazer ao marido de outra??? Era novinha, muito, e não concebia a ideia de casamento sem amor...por isso não entendia como é que o dom pedro se tava a deixar encantar por outra. Na verdade, tive-lhes raiva! :D era novinha, eheheheh, mas precoce nestas coisas de traição e humilhação (mais duas coisas que me enlouquecem). Mas, depois, de alguma forma, compreendi, porque me deixei envolver naquela historia de amor tão bonita...e o meu choque quando a mandaram matar...o meu choque quando a mataram...mais o choque da vingança de dom pedro, que lhes mandou tirar o coração e ainda os trincou...bolas!!!!!

Van disse...

ah, a tua ines está binita. :)

Zabour disse...

Van:
Eu sempre adorei a história de amor de D.Inês e D. Pedro.Os amores irracionais e impossiveis captam a minha atenção pelos mais variados motivos.Tirando as partes violentas claro, essas prefiro ignorá-las...fazer de conta que nem existem.
Quando me mudei cá para cima, numa das 1ªs vezes que fui a Coimbra fiz questão de visitar a Quinta das Lágrimas, não a parte hoteleira, que se diga de passagem está um must ;O)mas sim a parte antiga. Foi bom imaginar os longos passeios que por ali teriam feito os dois amantes, ai,ai(suspiro)...lá vem o meu lado romântico, o parvalhão!!!
O que mais me impresionou foi a fonte...é uma autêntica viagem ao passado.
Às tantas o jóve tb por ali andou e foi todo akele ambiente que lhe deturpou o raciocinio e lhe deu más ideias, parvo do rapaz...momentos de autêntica loucura, quem consegue explicar?

Bjokas, lindona!BFS

Zabour disse...

Van:
Ah, não tinha visto o elogio. Bigada,não tá nada de especial,mas olha foi o k a artista conseguiu arranjar.Daki a uns anos pode ser k tenha algum valor. Picasso começou com coisas bem piores ;O)

Bjokas

Parisiense disse...

Eu acho que ela está com um ar angélico....

Acho que essas historias deixam-nos sempre a pensar porque é que tem de ter um final tão triste um amor tão grande, né!!!!

Mas não te preocupes sai e vai é a procura de um grande amor....

Beijokitas

Linda disse...

Olá!
A tua Inês está linda, tem ar doce!
E a história apesar de trágica é linda!

No caso do jovem, é pena quando não se sabe lidar com a rejeição e também é pena querer obrigar alguém a retribuir o que não sente! Era tudo tão fácil se as pessoas se apaixonassem pela pessoa certa para a vida inteira!

Beijinhos
Linda

Anjo De Cor disse...

Qunado a li a primeira vez achei a história um pouco trágica, mas os amores eternos parece terem sempre um pouco de trágico, tipo Romeu e Julieta.
Gosto da tua Inês tem um ar angelical ;)
Bjss

Gata Verde disse...

Que histórias de arrepiar!!!

beijinhos

Zabour disse...

Parisiense:
Cada vez mais sou da opinião que os grandes amores não existem, ou então não há lugar para eles na minha vida :(

Beijoksa, linda!

Zabour disse...

Linda:
Sim, seria muito mais fácil se desde que ascemos tivessemos logo conhecimento de quem era a nossa alma gémea. Tornava tudo mais fácil...

Beijinhos

Zabour disse...

Anjo:
Sim, todos os grandes amores têm um final trágico, pk será?
Realmente não me parece nada justo...

Beijinhos

Zabour disse...

Gata:
Podes crer...
Há coisas que vá se lá perceber pk acontecem de determinada maneira. A vida devia ser bem mais fácil, não achas?

Beijinhos miaus

Anjo De Cor disse...

Porque se não fosse trágico deixava de ser eterno, hehehehehehe ;)
Que achas?
Bjs**

Zabour disse...

Anjo:
Pois, mas é pena que assim seja, não é?

Bjokas